MENU

30/07/2021 às 22h06min - Atualizada em 30/07/2021 às 22h06min

Olimpíadas 2020 dia #10: Abner garante medalha no boxe para o Brasil

Atleta vai à semifinal entre os peso pesados; como não há disputa pelo bronze no boxe, brasileiro já está no pódio

Leandro Silveira, Marcelo Tuvuca e Paulo Junior, colaboração para a CNN; Daniel Fernandes e Wellington Ramalhoso, da CNN
https://www.cnnbrasil.com.br/
A brasileira Rosângela Santos foi a quinta colocada em sua bateria nos 100 metros rasos e ficou fora das semifinais da modalidade Crédito: Matthias Schrader/AP

O Brasil passou por sensações distintas nesta sexta-feira (30) nas modalidades de luta das Olimpíadas 2020. Por um lado, no boxe, comemorou a medalha de Abner Teixeira, que está garantido nas semifinais, e a classificação da campeã mundial Beatriz Ferreira para as quartas.

No judô, no entanto, o país lamentou a grave lesão no joelho que tirou Maria Suelen Altheman dos Jogos Olímpicos, onde ainda tentaria conquistar o bronze na categoria pesado.

Boxe: pelo menos um bronze

Abner Teixeira precisou controlar o ímpeto de Hussein Iashahish no início da luta que valia uma vaga entre os quatro melhores da categoria pesado (até 91 kg). O jordaniano partiu para cima do brasileiro logo de cara, desferindo uma série de golpes, mas Abner reverteu a situação a partir do segundo round. Quatro dos cinco juízes consideraram o brasileiro o vencedor da luta.

"No primeiro round, o cara veio como um trator para cima de mim. No segundo, eu consegui equilibrar, peguei uns contragolpes bem encaixados no corpo, porque vi que ele estava sentindo"

Abner Teixeira, ao Olimpíada Todo Dia

Abner Teixeira (D) vai ao chão após garantir, no mínimo, bronze nas Olimpíadas

Abner Teixeira (D) vai ao chão após garantir, no mínimo, bronze nas Olimpíadas


Abner Teixeira (D) vai ao chão após derrotar jordaniano e garantir, no mínimo, a medalha de bronze nas Olimpíadas
Foto: Ueslei Marcelino - 30.jul.2021/Pool/Getty Images

A vitória já garantiu uma medalha para Abner - a sexta da modalidade para o Brasil na história dos Jogos. Como não há disputa pelo bronze, os dois lutadores derrotados na semifinal ficam com uma medalha.

A outra boa notícia do boxe brasileiro nesta sexta veio com Beatriz Ferreira, campeã mundial em 2019 e candidatíssima ao ouro da categoria leve (até 60 kg). Ela foi soberana no combate contra a taiwanesa Wu Shih-Yi e se classificou para as quartas. Abner e Bia voltam ao ringue olímpico na próxima terça-feira, quando enfrentam, respectivamente, o cubano Julio La Cruz e a uzbeque Raykhona Kodirova. 

Nesta sexta, houve a participação de outro boxeador brasileiro: o meio-pesado (até 81 kg) Keno Marley, eliminado nas quartas com uma derrota para o britânico Benjamin Witthaker.

Lesão tira judoca brasileira dos Jogos

O último dia do judô individual teve uma cena triste e impressionante vivida pela brasileira Maria Suelen Altheman, que sofreu uma grave lesão no joelho esquerdo durante a derrota para a francesa Romance Dicko e está fora das Olimpíadas.

Suelen foi retirada de maca do tatame e passará por uma cirurgia quando chegar ao Brasil, segundo a Confederação Brasileira de Judô. Como havia vencido na estreia da categoria acima dos 78 kg, Suelen ainda tinha chance de conquistar o bronze pela repescagem.

Na categoria acima de 78kg do judô feminino, brasileira Maria Suelen Altheman

Na categoria acima de 78kg do judô feminino, brasileira Maria Suelen Altheman


Na categoria acima de 78kg do judô feminino, brasileira Maria Suelen Altheman acabou eliminada pela francesa Romane Dicko (30/07/2021) Foto: Vincent Thian/AP
 

Ela também estava inscrita no time brasileiro que participa da disputa por equipes, na noite desta sexta, na despedida do judô em Tóquio. É a última tentativa do Brasil de melhorar sua participação nos Jogos - limitada, até agora, a duas medalhas de bronze de Daniel Cargnin e Mayra Aguiar.

O outro judoca brasileiro que lutou nesta sexta foi Rafael Silva, o Baby, eliminado nas quartas de final e também na repescagem da categoria acima dos 100 kg. No último combate, perdeu para Teddy Riner, campeão olímpico em 2012 e 2016. O francês, por sua vez, viu o fim de sua supremacia entre os pesados em Tóquio e precisou se contentar com a medalha de bronze.

Brasil cai nos pênaltis

Foi sofrido, de novo. E a seleção feminina de futebol não conseguiu terminar no pódio nas Olimpíadas ao cair, nos pênaltis, diante do Canadá, após um 0 a 0 arrastado no tempo normal e na prorrogação.

A goleira Bárbara até deu esperanças ao Brasil ao defender o primeiro pênalti, batido pela estrela canadense Sinclair. Mas as cobranças desperdiçadas por Andressa Alves e Rafaelle selaram a derrota por 4 a 3 para as adversárias, que já haviam tirado o bronze da seleção nos Jogos do Rio-2016.

Ainda no gramado, Marta, 35 anos, foi questionada pela TV Globo se essa poderia ter sido sua última participação pela seleção brasileira - algo que ela não conseguiu responder naquele momento.

Marta bate pênalti contra o Canadá pelas quartas do futebol das Olimpíadas 2020

Marta bate pênalti contra o Canadá pelas quartas do futebol das Olimpíadas 2020


Brasileira Marta bate pênalti contra o Canadá pelas quartas de final do futebol nas Olimpíadas 2020 Foto: Andre Penner - 30.jul.2021/AP

"Não sei, não consigo te dar essa resposta agora. Eu estou com a cabeça a mil, com muitas coisas passando pela cabeça. Vou deixar essa resposta para depois"

Marta, à TV Globo

Bruno Fratus avança à semi dos 50 m livre

A manhã desta sexta-feira (30) ficou marcada pela estreia de Bruno Fratus, grande esperança de medalha da natação brasileira, nos 50 m livre. O vice-campeão mundial avançou à semifinal com o quarto lugar geral, com o tempo de 21:67. O líder da classificatória foi o norte-americano Caeleb Dressel, bicampeão mundial, que marcou 21:32 e ficou a 2 centésimos do recorde olímpico de Cesar Cielo.

Bruno Fratus descansa após prova apenas com a cabeça para fora da água

Bruno Fratus descansa após prova apenas com a cabeça para fora da água


Bruno Fratus fechou sua bateria em primeiro lugar e avançou às semifinais nos 50 m livre Foto: AP Photo/David Goldman

O dia também teve as participações brasileiras de Etiene Medeiros (50 m livre) e Guilherme Costa (1500 m livre), além do revezamento 4x100 m medley masculino. Neste último, a equipe formada por Guilherme Guido, Felipe Lima, Vinicius Lanza e Marelo Chierighini foi desclassificada.

Um recorde mundial caiu na final dos 200 m peito: Tatjana Schoenmaker, da África do Sul, garantiu o ouro e a marca com o tempo de 2min18s95.

Adeus ao ‘Golden Slam’

Um líder do ranking mundial caiu nesta sexta: o sérvio Novak Djokovic, que caiu diante do alemão Alexander Zverev na semifinal do torneio de simples por 2 sets a 1. Depois de aplicar 1/6 no set inicial, o sérvio tomou uma virada surpreendente e perdeu as duas parciais seguintes por 6/3 e 6/1. 

Djokovic se irrita ao errar lance contra Alexander Zverev em semifinal em Tóquio

Djokovic se irrita ao errar lance contra Alexander Zverev em semifinal em Tóquio


Djokovic se irrita ao errar lance contra o alemão Alexander Zverev em semifinal olímpica Foto: Patrick Semansky - 30.jul.2021/AP
Assim, Djokovic deu adeus ao sonho de conseguir o chamado ‘Golden Slam’, com o título dos quatro Grand Slam do tênis e o torneio olímpico - ele já havia ganhado o Aberto da Austrália, Roland Garros e Wimbledon em 2021. Agora, resta ao sérvio a disputa de duas medalhas de bronze: no torneio de simples e também nas duplas mistas, com a compatriota Nina Stojanovic.

Evandro e Bruno Schmidt avança no vôlei de praia

Das quatro duplas brasileiras no vôlei de praia dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, apenas uma terminou a fase de grupos com três vitórias e nenhuma derrota: Evandro e Bruno Schmidt, que bateram os poloneses Michael Bryal e Grzgorz Fijaek por 2 sets a 1 (19/21, 21/14 e 17/15). Os brasileiros garantiram a vaga e terminaram como líderes do grupo E. 

"Na fase de grupos, é importante botar o time à prova"

Bruno Schmidt, ao Olimpíada Todo Dia

Jogadores da seleção brasileira de vôlei comemoram um ponto

Jogadores da seleção brasileira de vôlei comemoram um ponto


Jogadores da seleção de vôlei comemoram ponto durante vitória sobre os Estados Unidos Foto: Manu Fernandez / AP

Virada e reabilitação no vôlei masculino

Após perder para os russos, a seleção masculina de vôlei conseguiu se recuperar com uma vitória por 3 sets a 1 sobre os Estados Unidos (30/32, 25/23, 25/21 e 25/20). A equipe volta a jogar no sábado, quando vai encarar a França a partir das 23h05 (de Brasília).


 
 

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »